Assistência Técnica

0

É extremamente importante que advogados se utilizem da assistência técnica em psicologia forense, para ajudar a subsidiar decisões judiciais. Muitos casos são perdidos e muita injustiça é cometida pela falta de orientação técnico-científica em casos de guarda, suspeita de abuso sexual, violência familiar, implantação de falsas memórias em crianças e alienação parental.

O CECCRIM, há 10 anos, atua em assistência técnica em todo o território nacional.

Como Assistente Técnico, temos como uma das atribuições, buscar compreender o quadro comportamental do caso em questão. O entendimento de comportamentos extremos, disfuncionais e criminais, vão muito além do questionamento técnico (Art 8° da Resolução CFP n°008/2010) do trabalho realizado pelo Perito. É necessário o entendimento pessoal de toda a dinâmica social e psicológica dos envolvidos. Todo crime tem um histórico, e neste – caso tenha ocorrido realmente o crime de pedofilia ou de alienação parental – entendo que deva haver punição como determina a lei, mas, e se não houve tal crime? Se dentro da dinâmica familiar dos agentes, há particularidades importantes a serem consideradas? Tenho experiência de atuação de 11 anos nesses casos específicos, e não houve um caso sequer, que não tenha tido a ampla necessidade de total compreensão.

– Caso seu Escritório Jurídico precise de Assistência Técnica em casos de Pedofilia e Alienação Parental, nos contate pelo contato@ceccrim.com.br.

About Author

Christian Costa

O Professor Christian Costa atua na área criminal há 15 anos. Procura relacionar ciência e prática na compreensão e intervenção de atos violentos e criminosos. Tem formação acadêmica em Filosofia e Psicologia, com Especialização em Terapia Cognitiva pelo Instituto de Terapia Cognitiva de São Paulo e Mestrado na área de Psiquiatria Forense. Desenvolve atualmente Tese para compreensão da formação da Maturidade Criminal em criminosos sexuais. Foi psicólogo responsável pelo setor de psicologia forense do Presídio da Polícia Militar de São Paulo de 2004 a 2012 e Colaborador do Departamento Penitenciário Nacional do Ministério da Justiça de 2006 a 2008. É Diretor do Centro de Estudos do Comportamento Criminal-CECCRIM e consultor e palestrante em eventos científicos em todo o território nacional. Atualmente desenvolve pesquisa para estabelecer a relação do comportamento com evidências em cenas de crimes violentos, buscando relacionar indicadores comportamentais, bem como, estabelecer perfis comportamentais destas cenas de crime. É autor dos livros Psicopatas: Quem são? E Se o Mal Tivesse um Nome.